23 maio Foi na raça (Cruzeiro 2 x 1 Racing – Libertadores 6ª rodada fase de grupos)


Salve, guerreiros!

Que noite memorável! Quem diria que de “eliminado”, o torcedor celeste estaria comemorando a classificação no chamado grupo da morte em primeiro lugar. Já são dez oportunidades em que o Cruzeiro se classifica nessa posição. É um feito, pois após um início titubeante em que perdeu para o próprio Racing, em circunstâncias muito especiais, e empate contra Vasco e La U, La Bestia foi buscar três vitórias incontestáveis sendo duas por goleada. Poderia ter goleado na noite desta terça-feira também, pois, Sassá, De Arrascaeta e Raniel abusaram do direito de perder gols, principalmente os dois últimos que tiveram chances muito claras. Entretanto, não é tempo de reclamar, ao contrário, isso é Libertadores. Se algum torcedor pensa que vai ter goleada todo jogo, pode ir tirando o cavalinho da chuva. Esperem, inclusive, mais dificuldade ainda na sequencia da competição. Será uma das Libertadores mais difíceis de todos os tempos. Apenas times cascudos, vários já campeões do torneio estarão nas próximas fases. Quem vencê-la terá realizado uma verdadeira façanha. A Raposa com duas conquistas demonstra muita força com a classificação, sendo da forma que foi, com um 2 x 1 brigado, não deixa ninguém subir no salto. Se tivesse goleado, esse era um risco que corríamos. Não da para esquecer 2011 quando o Cruzeiro foi chamado de “Barcelona das Américas” e terminou eliminado em casa nas 8ª de final. A história está aí para nos ensinar.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O jogo

O Cruzeiro deu as cartas logo de início, abrindo vantagem de 2 x 0 logo aos 11′ com Thiago Neves e Lucas Silva. A partir daí, O Racing dominou as ações, com a Raposa sempre perigosa nos contra-ataques. Foi um teste para cardíaco, mas, com muita garra e uma defesa muito bem postada, La Bestia suportou a pressão e saiu com o triunfo e o primeiro lugar do grupo 5. Saiu também com um moral bem elevado de quem deu a volta por cima dentro do grupo da morte.

Primeiro tempo

O Cruzeiro começa avassalador. Amassa o time argentino em seu campo e faz dois gols até com certa facilidade. Como é comum ao Cruzeiro de Mano, o time passa a tentar a administrar a partida, mas, chama perigosamente o bom time do Racing para cima. Mas, ao contrário do que se imaginava, o Racing não levava tanto perigo à meta defendida por Fábio. Chegou uma vez em condição clara de gol, e o fez. Somente no final da etapa é que o Cruzeiro deu uma equilibrada nas ações e podia ter matado o jogo com De Arrascaeta que foi desarmado pelo goleiro adversário tirando dos seus pés a bola que certamente morreria no gol de o uruguaio tivesse tentado finalizar, mas, isso é pura especulação minha. A Raposa ainda poderia ter levado o empate em uma cavadinha que foi salva pela trave, justamente no momento em que melhorava sua marcação e afastava o Racing do seu gol.

Segundo tempo

Foi bem parecido com o primeiro. Com a marcação mais alta um pouco, os primeiros minutos da segunda etapa foram celestes. Com a desvantagem, o Racing não permitiu ao Cruzeiro manter-se no ataque. Entretanto, o Racing não assustou o goleiro Fábio, salvo em bolas paradas, algo que a defesa do Cruzeiro tem neutralizado muito bem desde o retorno do Mito Dedé. Também a exemplo da primeira etapa, o time azul estrelado poderia ter matado o jogo em preciosos contra-golpes. Abusou da sorte o menino Cruzeiro. As substituições do Mano surtiram bom efeito. Rafael Sobis entrou muito bem, muitos podem não concordar com o colunista, mas, só aquela bola que ele tirou da cabeça do jogador do Racing na pequena área já valeu sua entrada. Muitos analisam também apenas o futebol, mas, esquecem que Sobis agrega experiência, acalma os mais novos, melhora o controle da bola.

Guerreiro de ouro para Lucas Silva. Dono do meio, fez um golaço da entrada da área. Não sei o que você vai fazer, Cruzeiro, mas é fundamental manter o jogador até o fim do ano. Guerreiro de lata é páreo duro outra vez, mas, são as figuras de sempre. Robinho e Bruno Silva competem outra fez pelo “prêmio”. Penso que dessa vez, Bruno conseguiu ser um pouco mais útil que Robinho. Ele fica com nosso Guerreiro de lata de hoje.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 2 X 1 RACING

Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 22 de Maio de 2018, Terça-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Oscar Rojas

Gols: Thiago Neves, aos 2 minutos do primeiro tempo, Lucas Silva, aos 10 minutos do primeiro tempo (Cruzeiro); Centurion, aos 27 minutos do primeiro tempo (Racing)
Cartões: Barbieri, Solari, Lautaro Martinez, Gonzalez (Racing); Robinho, Léo, Lucas Romero (Cruzeiro)

CRUZEIRO – Fábio, Lucas Romero, Dedé, Léo, Egídio, Henrique, Lucas Silva, Thiago Neves (Rafael Sóbis), Arrascaeta, Robinho (Bruno Silva) e Sassá (Raniel).
Técnico: Mano Menezes.

RACING – Juan Musso, Pillud, Barbieri (Orban), Donatti, Alexis Soto, Diego González, Neri Cardozo (Mansilla), Augusto Solari (Zaracho), Ricardo Centurion, Lisandro Lopez, Lautaro Martinez.
Técnico: Eduardo Coudet.

A Raposa volta a campo no próximo domingo. Enfrenta o Santos fora de casa pelo brasileirão. Uma vitória seria fundamental para a retomada da recuperação na tabela já que tivemos que abrir mão do time titular no último sábado, mas, valeu o sacrifício, pois a conquista desta terça foi muito importante. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você