06 set Habemus Bigode! (Cruzeiro 5 x 1 Figueirense – Campeonato Brasileiro 23ª rodada)


Salve Guerreiros! Quem diria? Que apenas duas rodadas depois da demissão do jogador de poker o Cruzeiro apresentaria um futebol tão efetivo quanto o de hoje. Vontade, determinação, boas trocas de passe, futebol coletivo, tudo aquilo que a China Azul estava carente de ver, mas alguns dos nossos dirigentes insistiam em não perceber. A torcida estava certa, e como disse essa semana no Twitter em conversa com a Eliza Carvalho, musa do Mkt celeste: Cruzeiro e sua torcida sempre tiveram uma sintonia muito fina.

O jogo

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O Cruzeiro finalmente fez uma apresentação digna esse ano. Abriu o placar logo nos primeiros minutos com Willian Bigode, e manteve durante os 90’ o controle da partida.

O mais interessante foi assistir a “conversa” entre os setores da equipe, algo que andava em falta por aqui. A zaga firme com Manoel e Bruno Rodrigo recuperando ritmo (Bye Bye Paulo André), as laterais apoiando na medida certa com Ceará e Pará e o meio com uma partida excepcional de Henrique e Williams.

Ariel Cabral teve boa participação na transição, mas Willian Bigode teve sua redenção. Há tempos, mais precisamente desde sua contratação em definitivo, esperávamos do Bigode uma partida boa. Se ele estava devendo, pagou com juros e correção. Que não tenha sido apenas um jogo, mas que seja o reinício de um momento constante em sua carreira, para o bem do Cruzeiro.

O placar foi construído com inteligência. A jogada do segundo gol com uma troca de passes envolvente lembrou o bicampeão 13/14. Mano Menezes estreia com pé direito, a mão direita, o lado direito do cérebro, enfim, estreia direito. Não foi uma vitória da sorte, mas um triunfo da competência, do trabalho, do treinamento.

“Guerreiro de ouro” pertence ao Willian bigode, afinal, 4 gols em um mesmo jogo é raro. “Guerreiro de lata” vai para Allano, o menino abusou do individualismo e destoou do futebol coletivo apresentado pela Raposa neste domingo.

Céu azul, como deve ser em Minas, nestes 50 anos do Mineirão, a Toca III, seu maior protagonista deu o tom. Parabéns aos 39 mil guerreiros da arquibancada que fizeram a festa. Que venham festas assim até dezembro, e uma recuperação rumo à, pelo menos, uma vaga na Libertadores 2016, um feito pra quem há uma semana tinha medo do que seria a maior mancha na história celeste, mas o time das “paginas heroicas imortais” voltou a escrevê-las.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 5 X 1 FIGUEIRENSE

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 6 de setembro de 2015, domingo
Horário: 11 horas (de Brasília)
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Assistentes: Marcos Welb Rocha de Amorim (BA) e Jucimar dos Santos Dias (BA)

Cartões amarelos: Alex Muralha (Figueirense), Thiago Heleno (Figueirense), Sueliton (Figueirense), Bruno Alves (Figueirense)

Gols: 
CRUZEIRO: Willian, aos 3min e aos 28min do 1º tempo e aos 26min e aos 29min do 2º tempo; Vinícius Araújo, aos 15min do 2º tempo
FIGUEIRENSE: Marquinhos Pedroso, aos 20min do 2º tempo

CRUZEIRO: Fábio; Ceará, Bruno Rodrigo, Manoel e Pará (Fabrício); Willians, Henrique e Ariel Cabral; Allano (Marquinhos), Willian e Vinícius Araújo (Marinho)
Técnico: Mano Menezes

FIGUEIRENSE: Alex Muralha; Sueliton, Bruno Alves, Thiago Heleno e Marquinhos Pedroso; Denner, João Vitor, Fabinho e Rafael Bastos (Yago); Thiago Santana (Elias) e Clayton (Juninho)
Técnico: René Simões

Próximo compromisso da Raposa será na quinta contra no Maracanã contra o Flamengo. Uma terceira vitória seguida daria a moral necessária para enfrentar o Atlético MG domingo próximo. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida! Nossa força!

Por: Álvaro Jr


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você