06 jun Heroico imortal (Cruzeiro 2 (3) x (1) 2 Fluminense – Copa do Brasil 8ª de final)


Salve, guerreiros!

É daquelas análises que há um misto de coração e razão na hora de escrever. A razão clama por um texto analítico, metódico, trazendo a luz algumas verdades que observei durante a partida. O coração só quer gritar: “Aqui é Cruzeiro, p*!” Preparo o psicológico para o fato que a Raposa não vai muito adiante quando pegar times mais fortes? Ou apenas celebro a vaga conquistada com Thiago Neves e Fábio levando o time nas costas? Sei que a essa altura os amigos leitores já devem estar me xingando por conta da dúvida acima. “Que torcedor é você?” Devem estar perguntando. Quem porventura escreve “Heroico e imortal” no título, para depois por em dúvida o que o Cruzeiro pode fazer? Essas perguntas tentarei responder ao longo da análise. Vamos a ela.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O jogo

Teste para cardíaco! O Fluminense bem à característica dos times de Fernando Diniz não tomou conhecimento do fator campo. Engoliu o Cruzeiro nos primeiros minutos de partida. A pressão deu certo logo de início quando com auxilio do VAR o tricolor carioca teve pênalti marcado a seu favor. Entre idas e vindas com a vaga alternando de mãos durante o jogo, cada equipe ia impondo seu ritmo. Fábio mais uma vez foi espetacular. Defendeu duas cabeçadas que tinham endereço certo. No fim, empate e pênaltis.

Primeiro tempo

O gol de pênalti logo no início foi dando contornos dramáticos à classificação celeste. O relógio foi correndo e a vaga às quartas foi ficando distante. Após o gol o tricolor teve muita aplicação tática e foi frustrando as tentativas celestes enquanto tentava explorar alguns contra-ataques. A defesa do Cruzeiro, no entanto, portou-se bem nas recomposições obrigando o Fluminense a tentar as bolas paradas, ou os tiros de média distância todos defendidos com facilidade quando iam à meta celeste. O Cruzeiro precisava de um fato que ainda não havia ocorrido em dois mil e dezenove: uma virada.

Segundo tempo

A virada celeste tem nome e sobrenome: Thiago Neves. O Cruzeiro pressiona um acuado Fluminense que opta jogar por uma bola. Thiago marca seu primeiro gol da noite escorando de cabeça uma assistência de Ariel Cabral da linha de fundo. O gol equilibra um pouco o jogo pois o time de Rio de Janeiro passa a querer a vitória. A partir daí o jogo ficou emocionante com ambas equipes lutando pela vaga.

O Cruzeiro consegue a virada com Thiago Neves que marca seu segundo gol da noite em cobrança de penalidade sofrida por Lucas Romero. Sassá já havia desperdiçado uma cobrança sofrida por Pedro Rocha. O Fluminense se lança como kamikase ficando sem zagueiros em campo. Consegue novo empate no último lance do jogo. Desfibrilador à postos e vamos as cobranças de penalidade. O Cruzeiro perde as duas primeiras e o clima pesado se instala. O Fluminense perde um a marca outra saindo na frente.

A partir da terceira cobrança a Raposa acerta todas, enquanto vê o Fluminense não acertar mais nenhuma. Vaga e festa assegurada com show de Thiago Neves e Fábio. Ambos foram as colunas desse time na classificação desta noite. Ambos ficam com nosso “Guerreiro de ouro”. “Guerreiro de lata” para Dodô. Errou muitos passes e o Fluminense quase construiu jogadas de perigo em seus erros. Talvez a falta de ritmo explique.

Falei que iria explicar a dicotomia do primeiro parágrafo, e acabei não fazendo. Apenas me deixei levar pelas palavras na coluna de hoje. Nem eu mesmo sei afirmar se usei a cabeça, ou o coração. Acredito que tenha usado ambos. Em um Cruzeiro heroico e imortal, pois assim vai escrevendo suas páginas, acredita-se sempre. Roger Flores disse após o 6 x 1 que apenas a camisa celeste faria o que fez naquela tarde em Sete Lagoas. A camisa entrou em ação novamente, mostrou-se gigante, como Fábio diante dos batedores tricolores. Como Thiago Neves diante de Agenor.

Outra que se mostrou Gigante, foi a torcida celeste. Apesar de todos os escândalos envolvendo o nome do Cruzeiro desde a semana passada, a China Azul foi lá e abraçou o time. Tem que continuar assim, como foi em 13/14, e a ainda em 17/18. Nossas recentes conquistas passam por você, torcedor celeste!

Cruzeiro 2 X 2 Fluminense

Motivo: Oitavas – 2º jogo – Copa do Brasil

Data: 05/06/2019 ( QUARTA-FEIRA)

Local: Mineirão, em Belo Horizonte – Minas Gerais, Brasil

Público pagante: 40.056

Público presente: 47.460

Renda: R$ 546.960,50

Gols: Ganso, aos 15 minutos do primeiro tempo; Thiago Neves aos 13 e 35 e João Pedro aos 51 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Rafael Traci

Cruzeiro: Fábio, Lucas Romero, Dedé, Léo, Dodô, Henrique, Ariel Cabral (Lucas Silva), Robinho, Marquinhos Gabriel (Pedro Rocha), Thiago Neves, Fred (Sassá)

Técnico: Mano Menezes

Fluminense: Agenor, Gilberto, Nino (Miguel), Frazan (Mascarenhas), Caio Henrique, , Alan, Daniel, Ganso, Luciano, Brenner (Ewandro), João Pedro

Técnico: Fernando Diniz

Cartões amarelos: Henrique, Robinho, Sassá (Cruzeiro); Daniel, Luciano (Fluminense)

O Cruzeiro volta a campo neste sábado diante do Corinthians pelo campeonato Brasileiro. Precisa recuperar-se na competição nacional. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr

 


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você