30 jul Libertadores de 1976, um titulo, uma guerra, uma nação!


Neste mesmo dia, 30 de julho o Cruzeiro se sagrava campeão da libertadores da América a 34 anos atrás, quando a Libertadores era uma guerra!, jogos violentos onde a raça e vontade valiam mais que técnica e habilidade.

O Cruzeiro fazia um feito histórico, já que antes do nosso clube apenas o Grandioso e eterno time de santos de 63 tinha a libertadores, com a conquista azul em 76 o cruzeiro acabava com uma hegemonia de 10 títulos argentinos.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Cruzeiro contava com um elenco memorável contando com nada mais nada menos que: Piazza, Nelinho, Raúl e Palinha, bons tempos não? Seguindo trechos de uma matéria especial da ESPN BRASIL, Piazza diz: “Fizemos uma campanha quase irretocável. Apenas tivemos a infelicidade da perda do jogo contra o River que forçou a terceira partida. Mas foi uma arbitragem muito tendenciosa, que acabou nos levando para o jogo extra, em Santiago”

Sem falar do lance inusitado e dito como irresponsável por Piazza, “Aquela falta estava mais para o Nelinho, era uma posição onde gostava de bater. Mas eu estava discutindo com ele para que ele rolasse para o Palhinha, que ficaria sozinho na área, já que todos estavam preocupados com o chute. Já havíamos tomado um gol assim. Mas quando estávamos debatendo, o Joãozinho chegou e bateu a falta. Que que a gente vai fazer? Ele fez o gol! Foi uma felicidade e ao mesmo tempo uma irresponsabilidade”, relembra Piazza.

O Cruzeiro antes da Libertadores de 76, tinha sido vice campeão Brasileiro em 74 e 75 e isso fazia que o Cruzeiro lutasse muito pelo titulo, afim de saciar a vontade de títulos da Nação Celeste. Por sorte tínhamos jogadores em momentos geniais, por exemplo Palhinha que fez 13 gols em 11 jogos, e em duas Libertadores fez 20 gols.

Graças a garra e vontade de um grupo vencedor fomos campeão do titulo mais importante da América do sul, um titulo marcado por garra, e loucuras como a falta batida por Joãozinho e a má arbitragem apresentada na final da competição. Time grande é assim, luta contra tudo e todos e por isso temos com orgulho “Tão combatido jamais vencido“.

FICHA TÉCNICA DA FINAL
CRUZEIRO 3 X 2 RIVER PLATE

Data: 30/07/1976 – sexta-feira
Local: Estádio Nacional (Santiago – Chile)
Árbitro: Alberto Martínez (CHI)
Gols: CRUZEIRO: Nelinho 24′ do 1º; Ronaldo 10’e Joãozinho 43′ do 2º.
RIVER PLATE: Mas 14′, Urquiza 19′ do 2°

Cruzeiro: Raúl, Nelinho, Morais, Darcy Menezes e Vanderley; Ronaldo Drumond, Wilson Piazza (Osiris) e Zé Carlos; Eduardo, Palhinha e Joãozinho. Técnico: Zezé Moreira

River Plate: Landaburu, Comelles, Lonardi, Artico e Urquiza; Sabella, Merlo e Alonso; González,Luque e Oscar Mas (Crespo). Técnico: Angel Labrun

Em pé: Nelinho, Moraes, Ozires, Valdo, Vanderley e Raul. Agachados: Silva, Eduardo, Jairzinho, Palhinha e Joãozinho

“MEU ESCUDO TEM 5 ESTRELAS, SOBERANAS A BRILHAR” Bruno jorge dos Santos / @cruzeiro

*Referência – ESPN


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você