15 jul LIBERTADORES: Dia do TRI ou da TRI?


ou: Cruzeiro x Estudiantes e o medo do estádio maldito.
Meus amigos, é hoje! Frio na barriga, ou melhor, dor de barriga. Desde ontem vou ao banheiro pelo menos de 20 em 20 minutos. Estou passando mal. Estou com todos os sintomas da gripe suína, caxumba, sarampo, de tudo quanto é doença. Tive taquicardia, acordei assustado  durante a noite e tenho suado frio mesmo debaixo de dois edredons.

Os médicos dizem que eu não tenho nada. Passei em farmácias como quem passa por uma feira e tentei comprar Rivotril, Prozac, Lexotan, Haldol e tudo que é tarja preta que me veio à mente, pra tentar relaxar, mas fui enxotado de todas quando disse que não tinha receita médica. O máximo que consegui foi umas cartelas de Dramim, que tomo quando vou viajar, mas não me deram barato nenhum. Tomei (juro) cinco vidros de Maracujina, mas nada mudou. E não vai mudar até o homem do apito encerrar o espetáculo final da Libertadores, que começa hoje, às 21h50, no Mineirão.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Hoje é dia de chorar de alegria pela terceira conquista da taça da Libertadores, o tão sonhado TRI, ou chorar pela TRIsteza profunda que virá de uma derrota em casa. Espionando o que a imprensa dizia sobre o clássico, me deparei com o Olé, tradicional jornal argentino de esportes. A manchete: “Cancha grande, corazón enorme” (Campo grande, coração enorme). Na edição de hoje há uma entrevista com o técnico do Estudiantes, Alejandro Sabella. Ex-assistente de Daniel Passarela, ex-técnico da Argentina, Sabella assumiu o lugar de Leonardo Astrada depois do péssimo começo do Estudiantes na Libertadores. Na entrevista, Sabella diz que ganhar “Sería tocar el cielo con las manos”. Respondo a ti, hermanito: Si, si! Va a tocar el cielo com las manos, pero va a encontrar las estrellas azules. La constelación de crux brillará más esta noche! Heheheh…

A verdade é que los hermanitos tremem quando ouvem falar do Mineirão. O Olé também publicou uma matéria em que se refere ao Mineirão como UN ESTADIO MALDITO. O jornal destaca que a primeira vitória de argentinos contra o Cruzeiro só aconteceu 21 anos depois do primeiro jogo disputado em Belo Horizonte. O Vélez foi campeão. A segunda vitória argentina só aconteceu 33 anos depois do primeiro jogo. Dessa vez, foi o Boca quem faturou. O mais curioso é que os galináceos são motivo de chacota até na argentina. No final da matéria: “No sólo Cruzeiro hace de local en ese estadio, por lo que la “maldición” también se traslada a Atlético Mineiro, con quien los argentinos tuvieron un poco más de suerte…” Hehehe… A não ser que entre em campo com uma equipe reserva, quase todo mundo tem sorte contra o Atlético Mineiro.

Eu gostaria de assistir ao show do Mineirão. Fiquei horas na fila, mas cochilei, o cachimbo caiu e fui passado para trás, literalmente. Uma velhinha (consegui tirar uma foto dela com meu celular. Veja aqui)passou distribuindo sucos e leite na fila, de madrugada. Emocionado pela atitude até então solidária da boa mulher, lancei mão de um copo de leite e umas bolachas. Só acordei quando o sol havia raiado, ao lado de centenas de pessoas, que haviam apagado ao meu lado, depois de experimentar os quitutes da vovozinha. E assim caminha a humanidade.. Até que ponto uma pessoa pode chegar para ver uma final de Libertadores?…

Ótima matéria do Estado de Minas sobre cambistas. Um repórter conversou com um cambista que dizia já ter vendido vários ingressos e ainda tinha 20 para cadeira especial, a R$ 250 cada (o preço era R$ 150). Pilantragem pouca é bobagem…

Estou rezando, já fiz promessas e acendi velas para que esta batalha seja decidida nos 90 minutos. Sou cardíaco. Não aguentaria 120 minutos (mais 30 minutos de prorrogação em caso de empate) e tampouco uma disputa de pênaltis.

INCORPORANDO GALVÃO BUENO(uma homenagem dele para você): “Fé! É muita fé! É a batalha de Belo Horizonte, minha gente! É Hoje! É Brasil e Argentina na final da Libertadores! Cruzeiro e Estudiantes numa final eletrizante! Não é jogo para cardíaco, Falcão!”

Mas vamo que vamo que o show não pode parar! E o show hoje é daqueles! Mineirão pegando fogo, mas quem vai virar churrasquinho são los hermanitos! Te segura, Verón! Ramires já deu um tranco e mostrou que não vai dar espaço. E agora “me voy” porque a dor de barriga já bateu novamente. “Haja coração”….


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você