23 set MOMENTO DE FAZER O SIMPLES


Os próximos quatro jogos serão os mais importantes da história do Cruzeiro. Ceni e jogadores tem uma responsabilidade enorme, pois a imagem deles que também está em jogo. Em caso de tragédia, todos ficarão marcados, independentemente dos títulos que venceram. É uma mancha eterna. Não podemos deixar esse clube cair. É o momento de jogar pela honra, caráter e dignidade. Em 2011 o elenco era fraco, venceu apenas três jogos no returno e lutou até a última rodada pela salvação. O que fez aquela equipe sobreviver foi a união. O que faltou em qualidade sobrou em transpiração. É hora de falar menos, deixar às vaidades de lado e trabalhar forte.

O próximo adversário será o Goiás, fora de casa, que vem confiante após bater o Fluminense por 3×0, mas ainda irregular. Foi apenas sua segunda vitória nos últimos 12 jogos do Brasileiro. Tem no atacante Michael sua principal arma de contra-ataque, drible e decisão. O próximo adversário será o Ceará, também fora, pressionado pelo jejum de seis jogos sem vitória (4 derrotas e 2 empates). Depois, enfrentamos Fluminense, rival direto na luta contra a queda e Internacional, ambos em casa. É a hora do Rogério Ceni ter sabedoria e fazer o simples. Mudanças táticas, inovações e insistência com alguns jogadores devem ficar pra depois.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Nos últimos dois jogos houve uma melhora na postura em campo, porém as duas derrotas pesaram ainda mais o ambiente. Erros cometidos por inexperiência dos nossos defensores mais jovens demostram o equívoco cometido pelo técnico anterior em não utilizar os garotos da base para oferecer ritmo e competitividade. Sentiriam bem menos a pressão de entrar em campo. O retorno de Dedé é um bom indicativo para estancar a sangria, assim como a necessidade de jogar de forma mais pragmática quando pressionado. Sei que a opção tática do Rogério se baseia no toque de bola, mas exigir que o Fábio faça isso aos 38 anos, com o time lutando pra não cair, é inapropriado. Uma coisa é direcionar os treinos para que sua reposição com os pés funcione na intenção de gerar um contra-ataque ou pegar o adversário desorganizado, outra é determinar que o mesmo participe gerando opção de retorno ou quebrando a primeira linha de pressão adversária. No sábado, o gol do Gabriel saiu desta reposição e a tomada de decisão errada do Cacá em tentar progredir ao invés de rifar. Fazer o simples.

Outro ponto pacificado pra quem assiste aos jogos é a necessidade de mudar às peças of. Novamente, David teve a oportunidade de decidir o jogo ao nosso favor, numa cabeçada de frente para o goleiro Diego Alves e, como sempre, errou. Também teve a chance de abrir o placar contra o Palmeiras, mano a mano com Weverton, e errou. Essa é a diferença. Quando temos a oportunidade de matar o adversário, falhamos e, consequentemente, permitimos em erros de concentração ou acabamento técnico ser feridos. Ezequiel, recém chegado do Sport, entrou mostrando disposição e trazendo velocidade. Pedro Rocha no comando do ataque só funcionou naquele atípico jogo que vencemos o rival por 3×0, depois o que vimos foi apenas sua dificuldade em jogar de costas, entre os zagueiros. Sua facilidade em jogar aberto pela esquerda será mais útil do que de David, há 28 jogos sem marcar gol, utilizando assim um 9 de ofício no comando de ataque (Fred ou Sassá). Marquinhos Gabriel que não jogou o último jogo também deve seguir no banco, pois não marca há 21 partidas. Robinho, mesmo tendo no passe sua qualidade primordial, vem apresentando imensa dificuldade na recomposição pelo meio. Com Henrique longe do seu auge, talvez seja melhor reforçar a marcação com o jovem Adriano, elogiado pelos treinamentos, e dar mais liberdade ao Ederson subir ao ataque, pois tem qualidade na condução de bola.

Os treinos são fechados, mas é possível notar nos jogos da equipe onde estão acontecendo as falhas. Dodô, por exemplo, será volante com Rogério Ceni que destacou não ver no atleta a velocidade necessária pra atuar como lateral esquerdo. É um novo risco que ele assume num momento delicado onde não há margem para novos erros. A torcida é que dê certo, porque isso também ocorre devido a falta de dinheiro para contratar e sabemos como era urgente trazer mais um volante com capacidade de articulação e marcação. Diante da necessidade de vencer a qualquer custo, é hora de fazer o simples.

#MeDibre

Fonte: Deus Me Dibre – Conteúdo disponibilizado pela fonte via RSS/Feed


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você