21 abr Pragmatismo campeão (Atlético MG 1 x 1 Cruzeiro – Campeonato Mineiro – Final)


Salve, guerreiros!

Que todo mundo sabe que o Cruzeiro é infinitamente superior ao Atlético MG não é bem uma novidade. Nossa história e conquistas falam por si, enquanto o pequeno clube de Vespasiano precisa criar narrativas para “exaltarem” seu pobre currículo. “Campeão do gelo”, eles dizem, nós rimos; “Nossa Copa do Brasil vale mais que seis”, eles também dizem, nós rimos mais ainda. “Nossa torcida é maior”, (risos, muitos risos). Entretanto, quando se enfrentam, os 5 x 0, 6 x 1, são placares raros. Apesar da superioridade celeste em termos de elenco, de estrutura de time, manutenção do trabalho técnico, a final apresentou um certo equilíbrio. Claro, trata-se de um confronto histórico, de muita rivalidade e que exerce muita pressão. A Raposa, no entanto, mantem o padrão Mano Menezes de apresentar-se. Um futebol seguro, eficiente que tem nos rendido taças. Porque aqui no Cruzeiro, vencer não “é nosso ideal”, é nossa obrigação.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O jogo

A partida foi equilibrada. A time código de barras precisava do resultado e tratou logo de buscar o gol que lhe daria o título. Entretanto, não conseguiu acuar o Cruzeiro em seu campo de defesa. A Raposa defendia com sua costumeira eficiência. Uma falha, no entanto permitiu ao mineiro abrir o marcador, passando a fazer o que sabem de melhor: serem pequenos. Recuaram todo o time na defesa buscando explorar os contra-ataques.

Primeiro tempo

O Atlético tinha a obrigação da vitória, por isso veio à carga no início da partida. O Gigante de Minas foi frustrando as ações alvinegras e equilibrando a marcação. O time pequenino do goleiro Vitor começou a ser envolvido aos poucos, mas, a Raposa não conseguia transformar em oportunidades de gol seu volume de jogo. Em uma rara falha de posicionamento defensivo celeste, o “campeão do gelo” contou com boa dose de sorte para conseguir seu gol com Elias.

Os questionamentos começaram a surgir em nossos corações. Será que aquela seria nossa primeira derrota no ano? E assim encerra-se o primeiro tempo, com o Atlético levando a vantagem, e até ali, o título Mineiro em 2019. Que emoções nos reservariam a segunda etapa? O Cruzeiro conseguiria empatar e tirar a taça das mãos do rival?

Segundo tempo

Vem a segunda etapa da partida, e o Cruzeiro jogava com bastante calma, nem parecia estar sendo derrotado. Girava a bola e buscava os espaços que o fechado time sem Bi não cedia. Alguns lances requeriam a atenção do VAR, mas, o juiz insistia em apenas ouvir a cabine, sem consultar as imagens. Léo sofre pênalti ignorado pela arbitragem tanto de campo quanto de vídeo. No lance ele teve seu calção rasgado, e nem assim convenceu a arbitragem que o evento requeria mais atenção.

Mano passa a promover as mudanças necessárias para buscar o gol que traria o título de volta para as mãos celestes. Uma dessas mudanças é a entrada do recém chegado Pedro Rocha. Lançado pela esquerda do ataque, ao dividir bola com Leonardo Silva, o zagueiro no carrinho abre o braço tocando a mão na bola. O lance muito rápido exige a intervenção do árbitro de vídeo. Na única vez na partida em que o juiz vai ao monitor, ele é levado a marcar a penalidade.

Fred marca de pênalti dando números finais ao placar, e nossa “orelhuda” vem para a sala de troféus celeste. A pergunta que não quer calar: Por que o Cruzeiro não aproveitou o caminhão de bombeiros que o Atlético havia pedido para desfilar após a conquista (muitos risos)?

Guerreiro de ouro para Don Fredon. Guerreiro de lata para Rodriguinho que esteve apagado durante toda partida. Espero que o meia não seja daqueles que somem em grande jogos. Que aprenda com Thiago Neves que costuma brilhar em decisões.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 1 X 1 CRUZEIRO

Local: Estádio Independência, Belo Horizonte (MG)
Data: 20 de abril de 2019 (Sábado)
Horário: 16h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Assistentes: Rafael da Silva Alves e Elio Nepomuceno de Andrade Júnior
VAR: Leandro Pedro Vuaden

Gols: Elias, aos 29 do primeiro tempo (Atlético), Fred, aos 34 do segundo tempo (Cruzeiro)
Cartões amarelos: Edilson, Thiago Neves, Fred (Cruzeiro); Geuvânio, Ricardo Oliveira, Victor (Atlético)

ATLÉTICO: Victor; Guga, Igor Rabello, Leonardo Silva e Fábio Santos; José Welison, Elias, Geuvânio (Maicon Bolt), Luan (Vinícius) e Chará; Ricardo Oliveira.

Técnico: Rodrigo Santana.

CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Léo, Dedé e Dodô; Henrique, Lucas Romero (Thiago Neves), Rodriguinho, Robinho e Marquinhos Gabriel; Fred.
Técnico: Mano Menezes.

Nem tem tempo para comemorar. O Cruzeiro já viaja para enfrentar o Deportivo Lara pela Libertadores. A partida será na próxima terça (23/04) no inusitado horário das 17h. Até lá, China Azul.

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Álvaro Jr

 


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você