09 abr Rural conquistado e autoridade demonstrada (Cruzeiro 2 x 0 A. Mineiro – Campeonato Mineiro – 2º jogo da final)


Salve, guerreiros!

Antes tarde do que nunca, eis o nosso pós-jogo, assim como a volta da confiança e do futebol aceitável do Cruzeiro. Ao longo da semana, após o supervalorizado e superdimensionado clássico do primeiro jogo da final do rural com falhas defensivas, o time jogou o suficiente contra o Vasco mas sem conseguir vencer. Mas este texto é sobre o segundo jogo da final.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O torneio da FMF – que todo ano desmerece e desrespeita o Cruzeiro – não leva a nada e pouco vale. A torcida do Cruzeiro, porém, não quis saber disso e foi decisiva nessa reação do Cruzeiro nesta final. Além de campanhas nas redes sociais, ela mostrou força e presença na final e no torneio como todo. Com o jogo deste domingo o Cruzeiro passou de 300 mil presentes nos jogos do rural. Não pesquisei, mas acredito que este público total está próximo dos 50% do total do público do torneio.

O jogo

Confiante desde o primeiro jogo, este colunista que vos escreve já esperava uma postura diferente do time e no título indo para o Barro Preto. Entre tapas e agressões por parte dos rivais, o clube conseguiu controlar bem a partida e não correu risco real de levar gol. O rival comandado por um interino efetivado apostou no contra-ataque mas praticamente não fez nada. Diferente de outros anos, desta vez a arbitragem não prejudicou o jogo e falhou em lances isolados na ausência de cartão amarelo. Cruzeiro jogou bem (nota 7) e tem muito a melhorar na aproximação e finalização. Seguimos confiantes para os próximos jogos na Toca III e fora de MG.

Primeiro Tempo

Rival pequeno, por muitos supervalorizado como se fosse um time grande e importante pra exaltar vitória, começou o jogo apostando no contra-ataque e foi surpreendido com gol do uruguaio De Arrascaeta, após passe aéreo de Edílson. Lateral inclusive foi decisivo em provocar o rival Otero e causar sua expulsão. No lance ele levantou o pé e, enquanto o abaixava, o venezuelano o agrediu e foi expulso imediatamente. Ele já o agredira minutos antes mas sem punição. Após expulsão, Cruzeiro ficou mais tranquilo e não deu chance de perigo pro rival. Certo que exigiu pouco do goleiro adversário, mas controlar jogo e ter paciência era essencial pra atingir o objetivo.

Segundo Tempo

Com Mineirão quase lotado com quase 50 mil presentes, o Cruzeiro voltou sem Edilson mas com mesma vontade de vitória. Com paciência o time conseguiu chegar ao segundo gol após passe de Arrascaeta para o Robinho que tocou para Thiago Neves mostrar quem manda no maior salão de festa de Minas Gerais. Com o segundo gol e placar agregado favorável, a torcida fez muita festa inclusive após o apito final. Houve outra expulsão justa de jogador rival e nada mais relevante.

Mantendo a tradição do pós-jogo do meu amigo Álvaro Júnior, eis meus votos injustos (principalmente o primeiro pois o time todo foi bem) do jogo de hoje: guerreiro de ouro fica com De Arrascaeta que foi decisivo nos dois jogos da final. Menção honorável para Dedé que, mais uma vez, ganhou TODAS por cima. Dedé é craque demais! Muito acima da média mundial! Guerreiro de lata vai pro Ezequiel que entrou e pouco acrescentou mais uma vez. Edílson é muito superior que ele.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 2 X 0 A. MINEIRO

Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 8 de abril de 2018 (Domingo)
Horário: 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira-SP (Fifa)

Gols: De Arrascaeta, aos 3 min. do 1º tempo; Thiago Neves, aos 7 min. do 2º tempo

Cruzeiro: Fábio; Edílson (Mancuello), Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Ariel Cabral, Robinho (Rafinha) e Thiago Neves; De Arrascaeta (Ezequiel) e Rafael Sobis. Técnico: Mano Menezes

Atlético-MG: Victor; Patric, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Elias (Roger Guedes), Cazares e Luan (Gustavo Blanco); Otero e Ricardo Oliveira (Erik). Técnico: Thiago Larghi

Cartões amarelos: Ricardo Oliveira e Erik (Atlético-MG); Edilson, Thiago Neves, Léo, Robinho, Egídio e Ariel Cabral (Cruzeiro)
Cartões vermelhos: Otero e Patric (Atlético-MG)

No mais, é hora de aproveitar esta volta da confiança dos jogadores e da torcida. Infelizmente o rural da FMF é e, pelo visto, sempre será muito valorizado pelo Cruzeiro, mesmo que o desrespeitem. Neste jogo, por exemplo, não houve reciprocidade e torcida visitante entrou com bandeirão e tudo. Depois da comemoração tem que vir a concentração para reverter situação ruim na Libertadores e também no Brasileirão que é um torneio de 38 finais e que o Cruzeiro tem boas chances de ser campeão no torneio.

Enfim, o importante nessa história toda é a lição de nunca desistir do Cruzeiro que é o único clube que já reverteu resultado numa final do torneio local no formato atual. É bom ganhar o rural, mas é melhor ainda ganhar torneios que realmente são importantes e entram pra história nacional/continental! Parabéns Cruzeiro pelo seu 39º título estadual! Fechado com o Cruzeiro sempre!

Guerreiro dos Gramados. Nossa torcida, nossa força!

Por: Sidney Júnior

 


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você