09 jan Saída de Arrascaeta agrava falta de velocidade no Cruzeiro em 2019


Com a transferencia de Arrascaeta do Cruzeiro para o Flamengo agrava ainda mais uma carência do elenco celeste: a falta de jogadores habilidosos capazes de impor velocidade ao time no setor ofensivo. O problema ficou constatado na temporada passada, principalmente nas partidas em que o uruguaio não esteve em campo.

Com a ausência de Arrascaeta, a opção mais usada por Mano Menezes foi Rafinha. Entretanto, mesmo com muito esforço, o ex-jogador do Coritiba, no auge dos seus 35 anos, esbarrou em problemas físicos e não conseguiu manter o ritmo que a equipe mantinha com o uruguaio.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O resultado, na maioria das vezes, era uma equipe sem velocidade, que centralizava as ações de ataque nos cruzamentos na área e em demasiados toques de bola com pouca efetividade.

Para tentar solucionar o problema, a diretoria celeste não apresentou nenhum reforço, mesmo a contratação do chamado ‘velocista’ ter sido tratada como primordial.

Em entrevista recente ao portal Superesportes, o vice-presidente de futebol, Itair Machado, justificou que os problemas financeiros enfrentados pelo clube dificultam uma atuação no mercado em busca de reforços.

Machado ainda cravou que o clube deverá dar uma chance a Renato Kayser, que foi contratado ano passado junto ao Vasco. O meio-campista, no entanto, não chegou a atuar pelo Cruzeiro e foi cedido por empréstimo ao Atlético-GO.

“Eu estava conversando com o Mano o tempo inteiro nas férias sobre isso. O Mano até brincou comigo: ‘Itair, todo mundo aqui no curso da CBF quer o Renato Kayzer. Vamos dar uma avaliada no jogador, tem o Campeonato Mineiro e o primeiro semestre para o Cruzeiro disputar as competições. O Cruzeiro está focado e acreditando nesse jogador. É um jogador que recebeu sete propostas de Série B e Série A. Teve uma proposta de empréstimo para fora do país”, detalhou o dirigente ao Superesportes.

A aposta em Kayser, no entanto, é arriscada para um clube com um calendário apertado como terá o Cruzeiro em 2019. O jogador, de 22 anos, acumula passagens por times do interior carioca, mineiro e paulista, com apenas uma passagem por um grande time, o Vasco da Gama.

Além da inexperiência, as quatro competições, Mineiro, Copa do Brasil, Libertadores e Brasileirão, vão exigir um elenco com mais opções. Afinal, outro agravante é a alta média de idade do elenco, na faixa dos 28 anos, que vai demandar um rodízio entre as competições.

A alternância na equipe, já confirmada por Mano Menezes, se justifica no objetivo declarado pelo presidente Wagner Pires de Sá para 2019: a conquista da Libertadores.

Para alcançar a meta, a comitiva celeste precisará intensificar as ações no mercado. A ausência de jogadores velozes diminui as chances do clube na temporada, e vai trazer à tona os mesmos problemas vivenciados no ano passado.

A temporada, oficialmente, começa em 19 de janeiro com a estreia no campeonato estadual e logo no início de março o Cruzeiro dá o pontapé inicial na Libertadores. Portanto, a hora é de trabalhar mais e polemizar menos.

Vamos, La Bestia!

Por: Redação Guerreiro dos Gramados


Deixe seu comentário, curta e compartilhe





Mais para você